Participantes

Núria Güell

Espanha

(1981, Girona, Espanha)

Em suas obras, Núria Güell nos convoca a problematizar as estruturas de controle e de poder da sociedade contemporânea. As relações mantidas entre instituições de controle do estado – como polícias, embaixadas, serviços de imigração e fronteiras – e os sujeitos são materiais de pesquisa para o desenvolvimento dos seus trabalhos. Em Aportación de agentes del orden, a artista inverte a lógica espião-espionado, ao explorar o controle que o sistema exerce sobre o indivíduo por meio de seu lado mais evidente: a polícia. Ao registrar e apresentar em forma de anotações e fotografias ações desrespeitosas por parte de alguns policiais, Núria desordena aqueles que ditam a ordem, fazendo-nos pensar sobre as estruturas de poder e seus papéis sociais.

Já em Ayuda Humanitaria, Núria Güell tensiona os métodos impostos pelo Estado para determinar o pertencimento, ou não, de um indivíduo em seu território. Oferecendo-se para ser esposa de qualquer cubano que quisesse cidadania espanhola, a artista propôs uma troca de serviços entre as partes. Escolhido no concurso “carta de amor mais bonita do mundo”, que foi julgado por três prostitutas cubanas, a artista ofereceu as passagens e a papelada para a cidadania, e, em troca, seu marido esteve disponível para diferentes solicitações enquanto durou o “casamento”. Além de mostrar que sistemas podem ser falhos, Núria também deixa margens para questionar que nem toda ajuda é puramente altruísta. 

(Texto escrito por Jaime Laureano)