Participantes

Bjørn Erik Haugen

Noruega

(1977, Oslo, Noruega)

A pesquisa do artista norueguês Bjørn Erik Haugen abarca campos muito variados que vão desde a música e a composição à videoinstalação, à realização de filmes, concertos, a registros sonoros, tendo como denominador que unifica essa aparente dispersão uma pesquisa sobre o sujeito e sua relação com a linguagem, binômio ao qual relaciona um terceiro elemento, a tecnologia.
O vídeo What does it matter how many lovers you have if none of them gives you the universe faz parte de uma pesquisa iniciada em 2013, na qual o poder que a linguagem, o texto e os sinais têm em nossa história e cultura são seus principais elementos de estudo, no sentido de que eles são estruturadores das relações que temos com o mundo. O vídeo registra o eco do discurso de Jacques Lacan, proferido na Université Catholique de Louvain, em 1972, em especial o excerto em que o psicanalista discorre sobre a equivalência entre “Ser” e “Linguagem”, e a ideia de “sujeito falante”, que em Heidegger se define como “o sujeito que jamais deixa de habitar a linguagem”, mesmo no deserto. O que não deixa de ser irônico é que nesse discurso pós-68 intervém inesperadamente um jovem inspirado nos ideais de Guy Debord, a fim de denunciar a contaminação de formas de espetáculo no discurso da cultura. Este episódio continua sendo significativo para o desenvolvimento que se veio dar (especulativo e espetacular) às tecnologias, e Bjørn Erik Haugen, com contundência política, problematiza e define o prejuízo dos meios de comunicação em nossas vidas, seja na Noruega ou no Brasil.

The research of norwegian artist Bjørn Erik Haugen involves a wide variety of fields spanning from music and composition to video installation, filmmaking, concerts, and sound recordings, where the common denominator unifying this apparent diversity is a project of research into the subject and his or her relation with language – a dyad to which the artist relates a third element: technology.
The video What does it matter how many lovers you have if none of them gives you the universe is part of a research project begun in 2013, concerned mainly with the power that language, the text and the signs have in our history and culture, in the sense that they are structures of the relations we have with the world. The video registers the echo of a lecture by Jacques Lacan, given at the Université Catholique de Louvain, in 1972, especially the excerpt in which the psychoanalyst is talking about the equivalence between “Being” and “Language” and the idea of the “speaking subject,” which in Heidegger is defined as “the subject that never stops dwelling in the language,” even in the desert. The ironic thing is that in this post-’68 lecture a young man unexpectedly intervenes inspired by the ideals of Guy Debord, in order to denounce the contamination of forms of spectacle in the discourse of culture. This episode continues being significant for the (speculative and spectacular) development that took place with the technologies, and Bjørn Erik Haugen, with political incisiveness, problematizes and defines the harm done by the communication media in our lives, whether in Norway or Brazil.

Marta Mestre