Participantes

Maya Watanabe

Peru

(1983, Lima, Peru / Madri, Espanha)

El péndulo tece uma espécie de trama com fragmentos retirados de textos sagrados da Torá, do Novo Testamento e do Alcorão. Esses textos são recitados em hebraico, latim e árabe, representando as três religiões monoteístas Abraânicas: Judaísmo, Cristianismo e Islamismo. Os atores, dispostos um de costas para o outro, mudam suas posições lentamente em torno de um mesmo ponto – como um pêndulo. A projeção em tríptico recorda aspinturas religiosas, porém, nessa instalação, as imagens se movem e ocupam os três planos em diferentes momentos.
Os textos recitados demarcam suas diferenças no som, encontrando, por vezes, semelhanças em seus significados no silêncio da interpretação e vice-versa – como na pronúncia, quase uníssona, da palavra “Allah” (Deus), comum ao árabe e ao hebraico, mesmo que seu significado se refira a questões muito distintas relacionadas a Deus. Neste vídeo, Watanabe explora essa capacidade heterogênea das palavras e das narrativas, ao justapor, intercalar e sobrepor seus discursos. A falta de unidade ocasionada pela pronúncia simultânea de diferentes idiomas remonta ao mito da Torre de Babel. Porém, o que está em jogo já não é mais a busca por uma unidade linguística, mas os possíveis sentidos que surgem da polifonia, utilizando o som o e o sentido como elos capazes de unir diferentes discursos, uma outra forma de narrar.

El péndulo [The pendulum] weaves a sort of web with fragments taken from the sacred texts of the Torah, the New Testament and the Koran. These texts are recited in Hebrew, Latin and Arabic, representing the three Abrahamic, monotheistic religions: Judaism, Christianity and Islam. The actors, arranged with their backs turned to each other, change their positions slowly around a single point – like a pendulum. The projection in a triptych recalls religious paintings, however, in this installation, the images move and occupy the three planes at different moments.
The texts recited delimit the differences in the sound, sometimes finding similarities in their meanings in the silence of the interpretation and vice versa: as in the nearly homophonic pronunciation of the word “Allah” (God) common to Arabic and Hebrew, even if its meaning refers to very distinct questions related to God. In this video, Watanabe explores this heterogeneous ability of the words and the narratives, by juxtaposing, intercalating and overlaying their discourses. The lack of unity brought about by the simultaneous pronunciation of different languages refers to the myth of the Tower of Babel. What is in play, however, is no longer the search for a linguistic unity, but the possible meanings that arise from polyphony, using sound and meaning as links able to unite different discourses, another sort of narration.

Isabela Rjeille