Participantes

Rochelle Costi

Brasil

(1961, Caxias do Sul / São Paulo, Brasil)

Experimentar surpresa à frente de uma imagem aparentemente normal é algo que acontece na obra de Rochelle Costi. Isso devido a variações que a artista implementa por meio de mudanças na escala, de alterações na ordem ou de substituições. Por exemplo, na obra Toalhas (1997), um oleado popular conserva o padrão de desenho; de longe, tudo parece normal, mas há algo de errado no objeto que atrai o olho, como um imã o ferro. Assim, conforme o visitante vai se aproximando, descobre que os belos arabescos, em vez de serem formados por flores, estão constituídos por pés de galinha.

Para Frestas – Trienal de Artes, Costi propõe a obra Passageiros, intervenção no Museu da Estrada de Ferro Sorocabana, na sala dedicada às fotografias de presidentes e diretores. Por meio de intervenções, mas sem alterar nada da ordem prévia, a artista consegue mudar o espaço todo, substituindo algumas das fotografias por outras anônimas, encontradas por acaso na rua, nas lixeiras. Uma vez na sala, o visitante reconhece anomalias nas fotos, e, então, começa a procurar as divergências. Ação na qual acontece algo pouco usual nesse tipo de museu: imagens típicas de arquivo são vistas de forma plástica, isto é, são examinadas com uma curiosidade que excede a identificação — este senhor é um conde; este outro é um fundador —, para virar num jogo do olhar que questiona os limites da história.

 

Experiencing surprise before an apparently normal image is something that takes place in the work of Rochelle Costi, due to the variations the artist deploys through changes in scale, alterations of order, or substitutions. For example, in the work Toalhas [Towels] (1997), a commonplace oilcloth conserves the pattern of drawing; from a distance, everything appears normal, but there is something wrong about the object that beckons the eye like a magnet attracts iron. Thus, as the visitor approaches it, he or she discovers that the beautiful arabesques, instead of being formed by flowers, are constituted by chicken feet.

For Frestas – Trienal de Artes, Costi has proposed the work Passageiros [Passengers], intervention at Sorocaba Railway Museum, in the room dedicated to the photographs of the railroad’s presidents and directors. Through interventions, but without changing the previously existing order, the artist manages to transform the entire space, substituting some of the photographs by other anonymous ones, found by chance on the streets, in trash bins. Once in the room, the visitor recognizes anomalies in photos, and then begins to look for the differences. It is an action involving something quite unusual in this sort of museum: typical archive images are seen as art, that is, they are examined with a curiosity that goes beyond that of identification: this man is a count, this other one is a founder, becoming a game of perception that questions the limits of history.

Obras do artista