Participantes

Tamara Kuselman

Argentina

(1980, Buenos Aires, Argentina / Amsterdam, Holanda)

Os nomes das obras de Tamara Kuselman costumam escapar da breve fórmula artigo-substantivo, para se propor como enunciados, frases completas que, além de identificar a peça, constituem-na. Com efeito, às vezes o nome é a origem mesma da obra, e outras, um eixo fundamental de sentido.  Trata-se de uma particularidade na titulação que se encontra profundamente ligada a um interesse narrativo. Na obra de Kuselman, a palavra atua como matéria plástica, constituindo-se ora em imagens, ora em situações, gerando encontros e desenvolvendo espaços, por meio de ações, vídeos e performances.
Em Frestas – Trienal de Artes, a artista participa com duas peças. A primeira, O poder do agora, é uma ação que empresta seu título de um best-seller de autoajuda; nela, uma colaboradora inicia diálogos com os visitantes da exposição, conversas nas quais inserta frases extraídas do livro, o que confere um tom existencialista à conversa. A segunda obra, Cair não te levará para além do chão, é uma performance na qual dois homens estão sentados em altos pedestais: o primeiro, que está de costas, fala; o segundo, de frente, escuta o primeiro ao mesmo tempo em que parece procurar um terceiro ator no meio da plateia.

The titles of the works by Tamara Kuselman tend to escape from the brief article-noun formula, being posed as declarations, complete phrases which, besides identifying the piece, constitute it. In fact, the name is sometimes the very origin of the work, sometimes the fundamental axis of its meaning. This approach to entitling is profoundly linked to a narrative interest. In Kusselman’s work, the word functions as an artistic material, sometimes constituting images, sometimes situations, engendering encounters while developing spaces, by means of actions, videos and performances.
The artist is participating in Frestas – Trienal de Artes with two pieces. The first, El poder del ahora [The Power of Now], is an action that borrows its title from a bestselling self-help book; in it, a collaborator begins dialogues with the exhibition visitors, conversations in which she inserts phrases excerpted from the book, thus conferring an existentialist tone to the conversation. The second work, Caer no te lleva más allá del suelo [Falling Will Take You No Further Than the Ground], is a performance where two men are seated back to back on tall pedestals: the first, facing away from the audience, speaks, while the second listens to her while apparently looking for a third actor among the viewers.

Julia Bonaventura